terça-feira, 29 de maio de 2012

Saudades!



No dia 24 de maio deste ano corrente estando em Estância (minha terra natal), após o jantar, convidei meu pai para vermos a lua na frente da casa. Meu pai está numa cadeira de rodas após um derrame isquêmico, e a coisa que ele mais gosta é apreciar a beleza da lua, todos os dias ele pede para ver a sua querida amante. Com certeza meu pai e Mario Quintana comungam do mesmo pensamento “... Mas que haverá com a lua que sempre que a gente olha é com um novo espanto?..." completando o pensamento de meu pai para Quintana: “E encanto”...
Passando da poesia para o momento de apreciação aos encantos da lua, pedi a minha sobrinha que trouxesse uma cadeira para mim e comentei que naquele momento estava sentindo saudades do meu irmão (falecido há dois anos), pois ele adorava também sentar a porta da casa para conversar com os transeuntes.
Meu pai perguntou o que foi eu tinha falado. Repeti o assunto e perguntei se ele sentia saudades do meu irmão. Ele respondeu que não.
-Como não, meu pai, o senhor não sente saudades do seu filho?
Verdadeiramente ele responde:
- Como posso sentir saudades de um filho que só desejava meu mal, minha morte?
- É verdade meu pai. Mas o senhor é crente e a bíblia manda que a gente perdoe, não é verdade? E o senhor também sabe que ele tinha problemas com o álcool.
- Sim, minha filha, isso tudo é verdade! Eu já perdoei seu irmão por tudo que me fez, mas não sinto saudades dele.
- Nem um pingo?
- Nem um pingo.
- Na sua parte o senhor tem razão meu pai, mas eu sinto falta dele e muitas saudades!
E continuamos em silencio admirando a bela e resplandecente enamorada do meu velho pai.

Telma

terça-feira, 15 de maio de 2012

Para sempre!



P aixão desenfreada
A onde você foi parar?
R éu confesso eu sou ,dos  grandes
A  mores que vem e que passam!
S audosismo?
E  daí?
M e faz bem,
P ior que gosto.
R efém do amor
E u quero apenas declarar que
                        Poeticamente para sempre irei te amar!
Telma costa